COMO FUNCIONA NOSSO PROCESSO DE CONTRATAÇÃO

1 Crie uma conta no site
2 Escolha um curso
3 Realize seu pagamento on-line
Caso tenha alguma dificuldade envie e-mail contato@abecipeducacao.org.br. Obrigado!

FALE CONOSCO

Seg. a Sex. 9:00 - 18:00
Tel: (11) 3286-4855
contato@abecipeducacao.org.br

Caixa Registra Queda de 14,2% no Lucro Líquido no 3º Trimestre

13/11/2019 / Categorias Mercado imobiliário , Economia
Post Image

(Diário do Comércio - Finanças – 13/11/2019)

 

O lucro líquido recorrente da Caixa encolheu 14,2% no terceiro trimestre deste ano em relação a igual período de 2018. Fechou o intervalo em R$ 4,2 bilhões. Se for considerada uma venda de R$ 6,9 bilhões de títulos públicos federais com rentabilidade atrelada à inflação (os chamados NTN-Bs), porém, o lucro contábil do banco público subiu 66,7% na mesma comparação, indo para R$ 8 bilhões.

Os títulos, de acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, ficaram disponíveis para a venda a partir do pré-pagamento de parte do IHCD (Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida) que a Caixa adquiriu entre 2007 e 2013, no governo Dilma. No total, a Caixa tinha cerca de R$ 40 bilhões a devolver.

O IHCD foi adotado para permitir que o banco conseguisse aumentar sua oferta de crédito sem precisar de recursos da União, o seu controlador.

“Esses títulos serviam como hedge (proteção) e, conforme fomos pagando o IHCD, conseguimos vender essa nossa posição e aproveitando, também, as quedas nas taxas de juros”, explica Guimarães.

Ainda segundo o presidente do banco público, parte dessa dívida do IHCD foi paga com os ganhos extraordinários vindos da venda de ações da Petrobras, realizada em junho. “E ainda tem muito por vir, com a abertura de capital das nossas subsidiárias de cartões e seguros, que vão trazer resultados multibilionários para a Caixa, e que também serão usados para pagar essa dívida. O IPO de seguros deve vir antes, mas o de cartões também está encaminhado”, acrescentou.

A carteira de crédito ampla do banco público, por outro lado, apresentou uma nova retração no período, de 1,5%, para R$ 683,2 bilhões. A queda foi puxada pelas concessões para pessoas jurídicas e crédito rural. De acordo com Guimarães, a carteira ainda deve continuar caindo ao longo dos próximos trimestres.

“Nós não vamos mais capitalizar grandes empresas, então é essencial dizer que essa queda na carteira continuará acontecendo e veio para ficar. Só vamos financiar grandes companhias em segmentos muito específicos e apenas no longo prazo. Mas é importante dizer que nós tínhamos uma carteira muito grande e que a não renovação desses grandes volumes terá impacto por um tempo”, afirmou o presidente da Caixa.

Habitação – O crédito para habitação, carro-chefe do banco público, registrou uma alta de 3,6%, percentual bem abaixo de seus pares privados, que apresentaram crescimentos superiores a 8%. Segundo Guimarães, o foco do banco continuará sendo nos financiamentos imobiliários, mas também abrangerá concessões voltadas para infraestrutura e microcrédito. As concessões para infraestrutura encolheram 1,7% no período, para R$ R$ 81,7 bilhões.

Ele afirmou que o banco está realizando uma série de discussões societárias para tratar sobre como o microcrédito será ofertado à população e sinalizou, sem dar mais detalhes, de que a modalidade deve ser oferecida em parceria com uma terceira e não mais nas agências bancárias.

“Mas é importante ressaltar que microcrédito não será resolvido em seis meses. Temos questões imediatas e mais prioritárias, como a venda de ativos, os ajustes no balanço e as discussões de reduções de juros. É algo no prazo de 10 anos”, disse.

PDVs – No acumulado dos nove primeiros meses deste ano, as despesas administrativas da Caixa somaram R$ 24,3 bilhões, uma evolução de 3,4% em relação a igual período de 2018. A alta, de acordo com o presidente do banco, reflete o aumento de gastos com PDVs (Programas de Demissão Voluntária). Só nos últimos dois anos, a Caixa abriu quatro desses programas: o mais recente foi no final de outubro, voltado para 1.000 funcionários.

Segundo Guimarães, ainda há a demanda de funcionários para a abertura de um novo PDV em 2020, que alcançará até 2.000 pessoas. “A demanda existe, mas ainda preciso da autorização da Sest (Coordenação e Governança de Empresas Estatais) para saber quais serão as regras do PDV. É uma discussão para o ano que vem”, reiterou.

Os resultados extraordinários também foram responsáveis pelo aumento de 47,6% na margem financeira do banco público no terceiro trimestre em relação a igual período de 2018, para R$ 19 bilhões.

A receita com prestação de serviços do banco teve redução de 1,8% na comparação anual. As despesas com provisões (o montante passado a prejuízo) subiu 7,4%, no trimestre, para R$ 2,9 bilhões. A inadimplência da carteira total caiu 0,06 ponto percentual, para 3,38%. 

  • Compartilhe




ACESSE SUA ÁREA DO ALUNO

CRIAR CONTA

ESQUECE OS SEUS DETALHES?

TOPO